Chave de Inscrição: 009

Responsável: Maria Aparecida de Sá Xavier

Dia e Horário da Postagem das Aulas: Terça-feira - 19h

Dia e Horário de Aulas ao Vivo: Terça-feira - 19h

Local: Proiniciar Virtual (https://proiniciar.uerj.br/)

Carga Horária: 40h

Início em 02/03/2021 

Término em 31/05/2021

Resumo: 

Introduzir “discentes” na temática dos fazeres com saberes da Arte de curar dos povos e comunidades tradicionais, marcados por identidades ligadas a territórios de vida, levando em conta que todos têm modos de vida, relação sociedade/natureza, visão de mundo com outras racionalidades, práticas socioespaciais e universos culturais. Oportunizamos diálogo dialógico na proposta de Ecologia de Saberes, um diálogo entre saberes, encaminhada pelo sociólogo Professor Boaventura Sousa Santos, no ideal de uma educação decolonial, antirracista e plural.

Conteúdo:

Introduzir criticamente os discentes – como sujeitos históricos e geográficos, no debate sobre outras epistemes (conhecimentos validados) – fazeres com saberes da Arte de Curar dos Povos e Comunidades tradicionais, do decreto 6.040/2017, no favorecimento da Lei 10.639/03. Usaremos dois casos para análise. 

Partimos do pressuposto que todos os Fazeres guardam “Saberes” como um corpus de saberes, e são construtos sociais, culturais, históricos, geográficos; neste sentido oportunizamos uma discussão decolonial para avançar numa educação plural, na proposta antirracista com ideal de inclusão.

Apresentaremos dois casos - duas práticas socioculturais – para levantar debates e confrontos orientados/mediados: os caiçaras do Saco de Mamanguá – Paraty, RJ e suas representações de saúde/doença/cura; e os comunitários da Vila de Itaúnas, Conceição da Barra, ES, com suas artes de curar e sua  forte religiosidade afrobrasileira e catolicismo popular. Para proporcionar debates  usaremos documentários fílmicos e artísticos (híbridos),  em fóruns (assíncronos) e lives (síncronas). Também usaremos as vivências dos alunos no tema.